Como morar legalmente na Itália? Cidadania italiana e tipos de vistos

O sonho de morar fora é de muitos, mas existem muitas pessoas que não sabem se elas podem fazer isso, se possuem direito ao reconhecimento da cidadania, ou como fazer para se legalizar, e essas dúvidas são normais, o que é necessário é dar importância para esses questionamentos antes de tomar qualquer decisão.


O caminho mais fácil para muitas pessoas é a cidadania italiana. Milhares de italianos migraram para o Brasil e sabemos que existe uma quantidade gigantesca de descendentes em todo o território nacional, mas muitos não sabem o que fazer ou por onde começar, como descobrir se possuem esse direito, já que o processo de ser reconhecido cidadão italiano não é tão fácil. É preciso encontrar vários documentos, aprender sobre o processo e as possibilidades de como realizá-lo, e aprender sobre isso é muito importante, para não dizer indispensável.


Em primeiro lugar, você precisa entender quais são os meios que permitem a uma pessoa morar legalmente em outro país. No caso da Itália, posso citar 5 formas para tal: cidadania italiana, permesso di soggiorno, visto de estudo, visto de trabalho e residência eletiva.


Visto de residência eletiva


O visto de residência eletiva é para aqueles que não possuem cidadania, ou não pedirão visto de trabalho etc., mas para aqueles que possuem uma certa condição financeira para morar na Itália. Esse visto permite a permanência de longa duração (ou seja, mais de noventa dias que é o prazo que um brasileiro pode estar como turista na Europa) ao estrangeiro que pretende se estabelecer na Itália, e que é capaz de manter-se independente, sem exercer nenhuma atividade profissional em território italiano.


A pessoa deverá comprovar uma renda anual igual ou superior a 31 mil euros, valor que aumenta de acordo com o número de pessoas da família do requerente do visto, e comprovar que não fará nenhuma atividade no país com fins lucrativos. O requerente desse visto precisa comprovar a disponibilidade de uma casa para ser eleita como residência; recursos econômicos (pensões, imóveis, edifícios de sua propriedade que geram renda, atividades econômico-comerciais ou de outras fontes).


Uma vez que o estrangeiro tenha entrado regularmente na Itália já com o visto no passaporte, ele deve, no prazo de 8 dias, apresentar o pedido de conversão do visto para permesso di soggiorno. Esse visto também pode ser pedido pelo cidadão estrangeiro que já seja titular de autorização de residência na Itália por motivo de trabalho, por motivos familiares, quando o requerente deixe de trabalhar e passe a ser titular de uma pensão (velhice, invalidez, social) ou de outras fontes de rendas, mas que não seja por trabalho em solo italiano.