top of page

Impactos da guerra entre Rússia e Ucrânia na Itália: o que está acontecendo no país?

Atualizado: 7 de ago.

Como vocês sabem, a Europa tem vivido momentos de tensão desde a última semana. A guerra entre a Rússia e a Ucrânia não é nova, mas, na última semana, após ataques e explosões, muita coisa tem mudado na história desse conflito, e na história da Europa.


Claro que esse conflito afeta vários países de diversas maneiras, e a Itália não ficaria de fora dessa. Quero deixar claro que comentarei apenas sobre algumas das consequências econômicas na Itália em decorrência da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, mas não darei detalhes históricos e políticos porque não sou capacitada para tal.


O que vem acontecendo na Itália como consequência do conflito Rússia e Ucrânia


Desde o final de fevereiro, começamos a ver na prática o resultado desse conflito dos últimos dias. Poucas horas após a explosão do conflito na Ucrânia, os produtores de massas já se pronunciaram dizendo que as grandes cadeias de varejo devem se preparar para uma nova onda de aumentos de preços para certos tipos de massas, farinha, pão e produtos de pastelaria; digo novo porque, como dito anteriormente, esse conflito não é atual e, mesmo que de forma mais moderada, já havíamos sentido o aumento nos preços.


A invasão Russa pode ter um grande impacto na economia italiana, em particular, o custo mais alto das matérias-primas e energia importadas poderia elevar a taxa de inflação para 6% em 2022, resultando em um consumo mais baixo de 4 bilhões de euros.


Após o início das operações militares, os preços da energia subiram ainda mais, mostrando aumentos de 27% para o petróleo e 52,4% para o gás em comparação com o início do ano.


Portanto, a guerra na Ucrânia está sendo transmitida diretamente na cesta de compras das famílias italianas, aumentando o custo dos produtos mais importantes para famílias de baixa renda: alimentos básicos, que representam uma parcela percentual maior dos gastos mensais daqueles que menos ganham.


O turismo também está prestes a sofrer: em 2019, antes da crise da Covid, o turismo russo na Itália gerou cerca de 1,7 milhão de chegada de russos no país, com uma despesa estimada de 2,5 bilhões de euros. Esta é uma parte importante de entrada de dinheiro no turismo que, com a abertura das fronteiras, se esperava recuperar a enorme perda gerada durante a pandemia, mas que agora está em risco pela crise ucraniana, ainda mais com os espaços aéreos sendo fechados para a Rússia e as sanções que estão sendo aplicadas ao país.


Uma nova onda de inflação na Itália


Pão, macarrão e pizza, mas também alumínio, ouro, produtos energéticos e, é claro, gás de petróleo. A guerra entre a Rússia e a Ucrânia poderão ter grandes repercussões nos bolsos dos italianos, com os preços de alguns produtos de diferentes tipos que poderão disparar se o conflito continuar ou aumentar.


Até agora, no ano passado, os aumentos de massas secas de produtor para distribuidor na Itália estavam entre 19% e 50%, enquanto grandes cadeias de supermercados conseguiram até agora absorver parte ou quase completamente (conforme apropriado) os aumentos dos preços. Mas, após o ataque lançado por Vladimir Putin, esse equilíbrio conseguido até então pelas redes maiores de supermercados ameaça de explodir a qualquer momento, e propagar uma nova onda de inflação destinada a colocar as classes mais frágeis da Europa Ocidental em apuros.


Os primeiros aumentos de preço em gás e alimentos na Itália 


O gás natural, cujo preço na Europa subiu imediatamente 30% após a invasão russa, parece destinado a permanecer alto até que a guerra e as tensões geopolíticas passem. Depois da Rússia, os maiores fornecedores para a União Europeia são, em ordem, Noruega, Argélia, EUA e Catar. Nenhum deles, no entanto, parece adequado - especialmente a curto e médio prazo - para substituir adequadamente o gás russo, o que, entre outras coisas, torna impraticável a aplicação de sanções credíveis e explica a prudência da UE na crise em curso.


Começamos com o gás, mas não será só isso: o conflito organizado por Putin terá um impacto particular nos preços dos alimentos. Gianluca Lelli, CEO do Consorzi agrari d’Italia e chefe da área econômica da Coldiretti, lembra que a Itália comprou pouco mais de um milhão de toneladas de trigo (20% das importações) da Ucrânia no ano passado. Este déficit no futuro previsível aumentará os preços da farinha, pão e biscoitos, bem como certas pastas de sêmola. Na manhã do dia 24 de fevereiro, após o início da invasão, na Bolsa de Valores Agrícola de Paris (Matif), o trigo registrou um aumento de 16%.


Os preços de cereais como trigo, soja e milho, bem como óleos de cozinha, subiriam exponencialmente. A Rússia é, de fato, o maior exportador de trigo do mundo, seguido em quarto lugar pela Ucrânia: com os dois países "envoltos" no conflito, as exportações de fazendas e óleo de girassol entrariam em colapso. Já o clima de tensão antes do ataque de Putin havia contribuído para aumentar o preço do pão, que agora também sofre o "empurrão" do aumento do custo da energia. A Ucrânia é, de fato, o quarto maior exportador do mundo e responde por cerca de 22% do comércio.


Produtos direta e indiretamente envolvidos


A Ucrânia é um importante fornecedor de milho de qualidade para fazendas italianas, um produto que já havia sido aumentado em até 50% antes da guerra. Na manhã do dia 24 de fevereiro, houve aumentos de outros 12% após os primeiros bombardeios. A guerra está, portanto, destinada a produzir diretamente um impacto ascendente nos custos da carne e do leite na Itália.


Nos últimos dias, o preço do trigo atingiu 344 euros por tonelada, excedendo claramente o recorde histórico anterior de 313,5 euros por tonelada tocada em 24 de novembro, antes de voltar para 320 euros em março. Em vez disso, o milho viu o preço subir para 304 euros por tonelada, de 280 euros no dia anterior.


A situação realmente é grave: a Itália importa 64% do trigo usado para a produção de pão e biscoitos e 53% de milho para criação. A guerra exacerba os problemas de um setor já bastante: a França, a primeira potência agrícola da União Europeia, tem alguns estoques de cereais e, segundos analistas, as reservas francesas e americanas poderiam compensar parcialmente a queda previsível nas exportações ucranianas, pelo menos no curto prazo, mas tudo vai depender de quanto tempo dura a crise


Aumento no preço dos Fertilizantes


Fortes aumentos de preços também podem ser vistos em fertilizantes produzidos a partir de gás natural, dos quais a Rússia é oligopolista e que este ano já aumentaram para mais 160% (como no caso do nitrato de amônio). Esses fatores também afetarão os alimentos básicos, começando com o trigo duro com o qual as massas são feitas.


Estimativas do Banco central europeu


Mesmo deixando de lado a opção de um corte completo no fornecimento de gás, de acordo com estimativas do Banco Central Europeu, um racionamento de 10% por Moscou seria suficiente para aumentar os preços. A Rússia também é um importante fornecedor de matérias-primas para a indústria mais avançada com titânio, paládio, alumínio e níquel, e a Ucrânia produz 80% dos suprimentos mundiais de um material de base usado na tecnologia laser que serve para produzir os semicondutores mais avançados: uma pausa da Ucrânia pode ter efeitos perigosos em toda a cadeia de suprimentos de microchip e máquinas.


Aumento no valor do Combustível na Itália


Os combustíveis podem aumentar por litro em mais 5 centavos de euro, com um efeito dominó nos preços das mercadorias transportadas. Esse aumento já tem sido visto em grande parte do território italiano.


A pesquisa Staffetta Quotidiana certifica que o Q8 aumentou os preços da gasolina e do diesel em três centavos por litro, enquanto para o Tamoil o aumento foi de um centavo por litro. De acordo com AdnKronos,as médias dos preços cobrados comunicados pelos gerentes ao Observatório de Preços do Ministério do Desenvolvimento Econômico e elaborados pela Staffetta, registrados em cerca de 15 mil usinas indicam: gasolina self-service a 1.859 euros / litro (+2 milésimos, empresas 1.868, bombas brancas 1.837), diesel a 1.733 euros / litro (+2, empresas 1.740, bombas brancas 1.717). Gasolina servida a 1.986 euros/litro (+3, empresas 2.036, bombas brancas 1.890), diesel a 1.865 euros/litro (+3, empresas 1.915, bombas brancas 1.770). GLP servido a 0,818 euros/litro (inalterado, empresas 0,825, bombas brancas 0,810), metano servido a 1.776 euros/kg (+1, empresas 1.814, bombas brancas 1.747), GNL 2.146 euros/kg (+3, empresas 2.156 euros/kg, bombas brancas 2.139 euros/kg).


Os bloqueios nas estradas italianas


O governo anunciou na noite do dia 24 de fevereiro que havia alocado 80 milhões de euros para alcançar as transportadoras que, por três dias, portanto, antes do conflito, começaram a protestar contra o aumento do preço do combustível. Foi o presidente das Regiões, Massimiliano Fedriga, que pediu intervenção urgente contra esses bloqueios que correm o risco de paralisar as entregas de bens essenciais para o país, já que causaram a pausa na produção desses bens, como tem sido o caso da empresa italiana Molisana, que produz massas e está sem data de retomar as produções.


Desse dinheiro solicitado pelo Ministério da Infraestrutura, 20 milhões serão usados para pedágios e 5 milhões serão usados para implementar a dedução fixa para despesas indocumentadas. Outras medidas foram tomadas, mas elas poderiam ser consideradas, no entanto, insuficientes se a crise durar muito tempo e, por esse motivo, o Ministério do Interior já alertou os prefeitos para evitar protestos semelhantes aos que paralisaram a rodovia A1, com o intuito de não aumentar ainda mais o caos causado pelas paralizações.


Questões migratórias


Somam-se aos custos econômicos os custos humanitários de uma migração que é prenunciada de hora em hora mais dramática. Save the Children e Sos Villaggi dei bambini falam de 98.000 crianças em instalações de recepção na Ucrânia e soam o alarme para pelo menos 50.000 crianças que terão que ser evacuadas.


O primeiro destino para aqueles que fogem da guerra é a Polônia, que faz parte do bloco de Visegrad com a República Tcheca, Eslováquia e Hungria, os mesmos países que até algumas semanas atrás sempre disseram que se opunham à lógica da redistribuição de migrantes e com os quais, por esse motivo, parece difícil imaginar um diálogo frutífero.


De acordo com dados do Eurostat, dos cerca de 800 mil ucranianos residentes na UE, mais de um quarto (236.000) estão na Itália: 75% deles são mulheres, a maioria empregadas como empregadas domésticas na Lombardia, Campânia e Emilia Romagna. Não se pode descartar que muitos deles solicitem o reagrupamento familiar por razões humanitárias e, para a Itália, seria uma nova emergência a ser enfrentada.


Mas quantos refugiados chegarão da Ucrânia na Itália? De acordo com uma primeira estimativa, o número deve ser de cerca de 900 mil pessoas. A região que mais deve recebê-los é a Lombardia, onde 55.000 ucranianos vivem atualmente dos 240 mil residentes da Itália. A confirmação veio do governador Attilio Fontana, em um discurso à Rádio 24. "Esperamos um fluxo de 100.000 refugiados da Ucrânia", lembrando como "Lombardia sempre provou ser muito acolhedora: todo mundo também está mostrando grande disponibilidade nesta ocasião, todo mundo quer fazer algo".


Resumindo a situação na Itália


O pacote de sanções contra a Rússia, que se espera que seja desencadeado pela União Europeia, prejudicará Putin, mas, ao mesmo tempo, coloca a economia da Itália em sérios riscos. O fardo das consequências para a Itália seria realmente difícil de suportar; o país deve:


  • Enviar tropas italianas em apoio à OTAN;

  • Ao mesmo tempo, enfrentando uma crise econômica devido a: aumentos de luz e gás; aumentos no custo de matérias-primas como cereais - trigo, milho e soja - mas também óleos de cozinha;

  • Colapso do setor de turismo (para a Páscoa Ortodoxa, geralmente, 175 mil turistas russos são esperados, com um faturamento de 20 milhões de euros);

  • Crise no setor manufatureiro: moda, móveis, calçados, vestuário, com uma estimativa negativa de 400 milhões de euros.


Em 2020, a Itália vendeu produtos e serviços em Moscou por 10 bilhões de dólares, de acordo com dados da Trading Economics, com uma prevalência de máquinas industriais, eletrodomésticos, moda e medicamentos, e cerca de 200 empresas italianas têm relações comerciais com a Rússia.


A Itália importa:


  • Da Rússia: 12% do petróleo de que precisa e 43% do gás;

  • Da Ucrânia: 120 milhões de quilos de trigo.


E como nosso país é o principal produtor mundial de massas, pode-se dizer que os problemas decorrentes do colapso da cadeia de suprimentos desse setor seriam devastadores. De acordo com uma análise do ISPI (Instituto de Estudos Políticos Internacionais), a Itália é o país mais exposto à turbulência de gás, juntamente com a Áustria.

bottom of page