Viajar, morar e estudar no Reino Unido após o Brexit: o que muda a partir de 1º de janeiro

Como todos sabem, agora é oficial: o Reino Unido não faz mais parte da União Europeia. O acordo foi finalmente oficializado após 11 meses de negociações e determinará como será a relação entre os britânicos e o bloco da UE.


O que é o Brexit?


Se você ainda não está por dentro do assunto, o “Brexit” é a junção das palavras em inglês “British” e “exit” e significa “saída britânica”, e é usado para se referir à saída do Reino Unido da União Europeia (UE). E, a UE (União europeia), por sua vez, é um grupo formado por 27 países - desde a saída do Reino Unido -, com livre comércio entre si. O bloco também facilita o trânsito de seus cidadãos para trabalhar e morar em qualquer parte do território.


A primeira reação ao acordo comercial de última hora alcançado pela Grã-Bretanha e pela União Europeia na véspera de Natal, dia 24, foi de alívio. O temido "no deal", com todas as suas consequências devastadoras para a economia, foi evitado. As novas regras estão dispostas em um documento de mais de mil páginas que também aborda outros pontos, como cooperação climática, segurança e transporte. Não está descartado, no entanto, que no futuro sejam restabelecidas algumas facilidades perdidas com o Brexit. Vamos ver como as coisas vão mudar na vida diária a partir de 1º de janeiro de 2021.


Viajar após o Brexit: o que mudou?


O fim da livre circulação significa que viajar da e para a Grã-Bretanha será diferente para os cidadãos europeus. Se você for um europeu, não precisará de visto para férias, mas não poderá permanecer por mais de três meses consecutivos, até um total de 180 dias.


Até outubro de 2021, você poderá viajar com sua carteira de identidade e um passaporte válido por seis meses, mas após essa data você precisará de um passaporte biométrico. Os viajantes podem levar um máximo de £10.000 em dinheiro com eles, sem ter que declará-los. Será necessário um seguro de viagem com cobertura de saúde privada, uma vez que o cartão europeu de saúde deixará de ser válido.


Os cidadãos europeus poderão usar a sua carta de condução na Grã-Bretanha, mas terão de provar que estão segurados. O roaming gratuito deixará de ser garantido pela UE: por enquanto, nenhum provedor anunciou um aumento nas tarifas de telefonia móvel no Reino Unido, mas eles podem fazer isso no fut